Existe informação demais, individualidade de menos


Estamos sempre ocupados, fazendo cada vez mais coisas, todos os dias mais e mais, cada vez mais e mais, e mais e mais ainda. Pelos outros. Pelo futuro. Motivados pela produção que nunca pode parar, para fortalecer as entidades mentais e místicas, que alguém criou lá no passado distante e longínquo, que tomaram vida própria, sem um só coração, mas com muitos. Quase todos nós sustentamos essas entidades de forma única; e brigamos pela visão que criamos delas. É preciso colocar algumas aqui, mas sem apologias:

- Passado - é o que é. E passou. Muitos de nós vivemos no passado e usamos os acontecimentos do passado como um refúgio. Podemos aprender com ele, especialmente a deixar para trás o que não queremos que se repita. Aprender com o passado é importante, reviver o passado é um problema. Ele vem primeiro e ficará aqui, pois ele nos guia, mas não precisa seguir na reflexão conosco. Deixe o passado aqui, no passado, e siga em frente.

- Religião - criamos a religião como uma forma de nos unir por um ideal, para disseminar um conhecimento de forma sistemática e controlada. Hoje a religião é uma entidade maior que Deus, pois não pode ser questionada, existe a certa e a errada, mas ao mesmo tempo todas são, certas e erradas. E guerreamos para defendê-las, se não com armas, como foi feito no passado, com palavras.

- Economia - uma entidade que já nasceu entidade, sem alma, para acumular o poder e o dinheiro. Que mata, sem escrúpulos e sem medos, pelos seus objetivos. Todos lutamos, todos os dias, para alimentar a Economia acreditando que, como uma deusa benevolente, ela dividirá igualmente seus espólios. Como todo deus criado pelos homens, ela acha sempre a oferenda insuficiente.

- Mercado - aliado número 1 da entidade Economia, faz seu papel em escravizar homens e mulheres e mantendo a roda da fortuna girando. O Mercado controla os preços e as pessoas pagam. Quem controla o Mercado? Ninguém e todo mundo ao mesmo tempo.

- Futuro - uma entidade que atrapalha muito a existência pacífica das pessoas. Tudo que fazemos já a algum tempo é pensado para o Futuro, mas que Futuro é esse? Não criamos o Futuro que queremos e não vemos, que os sonhos que vivem no futuro não podem nunca morar com a gente no tempo presente.

- Os Outros - é a entidade mais perigosa, que controla todas as nossas ações. Sabe de tudo que fazemos, julga cada passo que damos e tem diversos nomes: sociedade, estado, comunidade, vizinhos, família, fraternidade, religiosidade, entre outros. Se as paredes têm ouvidos, é para satisfazer as vontades d"Os Outros", sempre ouvindo tudo que você faz, mesmo, ou especialmente, entre quatro paredes. Afinal de contas o que Os Outros vão pensar se souberem do que você faz?

Todas essas entidades controlam nosso cotidiano de uma forma muito particular e nossa mente já está acostumada a seguir suas vontades sem saber porque o está fazendo. Nossas ações são regulamentadas por todas as informações, ocultas ou não, desses seres incorpóreos. São tantas informações passadas por todos os veículos de comunicação, tantas verdades e tantas ordens, que seguimos porque nos foi dito que é assim que se vive. Terrível realidade.

O indivíduo, a simplicidade, a calma e a paz, o Amor em especial, ficam em segundo plano. A boa risada e o bom senso, ficam estagnados aos desígnios das entidades. E a ignorância sobre elas é a benção de quem segue a maré sem saber de nada.

É tanta informação, tantas as camadas de verificação do que é certo e do que é errado, para um e para outro, para entidades e órgãos regulamentadores da ação, que agir tornou-se um peso. E esse peso é a garantia de que as entidades seguem firmes no controle da situação.
Quem vai com a maré e paga todos os tributos para essas entidades, é consagrado com a paz da ignorância.
Quem sabe do sacrifício de pagar todos os impostos entende o que é perder a liberdade. Entende a ilusão de viver sem viver de verdade.

E o esforço que demanda desobedecer as entidades e ir contra seus apoiadores é hercúleo, sim! Porém compensa esse trabalho ver a luz no fim do túnel e, para cada pessoa que acorda e une-se ao ritmo mais natural do caminho, é por si só uma recompensa. Cada companheiro importa. Cada um dormindo ou acordado está fazendo sua parte no caminho evolutivo do nosso planeta.

As entidades têm a sua força porque tem a força que cada um de nós empresta. E por mais complexa que seja essa dinâmica, explicar como ela funciona é simples. "Os Outros" tem poder quando nos importamos com eles. O "Mercado" tem poder quando nos rendemos às suas armadilhas de consumo e desigualdade, aquele produto incrível que não agrega nada de novo e custa o dobro só porque é lançamento, não quando compramos o que precisamos. A "Economia" só se fortalece quando olhamos mais para o dinheiro que para nossa vida, e a vida de nossos irmãos de todo o mundo. A "Religião" só existe porque nos importamos mais com "Os Outros" e com o que vão pensar do que com o que Deus vai pensar, saiba desde já, Deus nos ama e sempre vai amar. E o "Futuro" quando deixar de ser um plano, uma ilusão de 5 ou 10 anos a frente, e passar a ser o dia de amanhã, estará mais presente no nosso Presente de estarmos vivos. Se quero viver o futuro, tenho que garantir que hoje é um dia produtivo, feliz, harmonioso e amoroso, não amanhã. Amanhã não se tem nada, só hoje.

Hoje eu tenho a vontade de te explicar e libertar dessas entidades, sem a pretensão de fazer isso por você, mas de criar a possibilidade de você mesmo se libertar. Refletir e perceber as influências das opiniões d"Os Outros" que acaba aceitando mais do que a sua própria. E mesmo que no começo seja difícil perceber, e mesmo que quando perceber seja difícil aceitar, depois que a dor passar, é fácil reagir e voltar sua atenção para quem você é, e para que lado quer seguir, e com qual entidade quer ou não se afiliar.
E de que forma queremos servir e ser servidos? E como queremos que nossa vida se encaminhe para o "Futuro"? Em liberdade e alegria ou cheios de regras e fantasias?


Lembre-se do Amor e da vida que existe dentro de você.
Lembre-se que no Amor tudo é abundante e que nada faltará a quem conscientemente crer e reconhecer que todos podemos nos favorecer, quando deixamos de pensar n"Os Outros" e pensarmos mais em Ser, apenas Ser. Ser quem queremos ser, fazer o que for necessário para isso acontecer e aceitar as consequências do que queremos.

Eu quero ser Luz e não posso me esquecer disso. Se enfraquecer, eu deixo de iluminar o caminho que tanto quero acender.
E você, o que quer ser?

Eu sou Allan Lucena
Sábia Gratitude para você e para todos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário