Você sabia que Amor não acaba?

Em uma conversa descontraída de fim de noite com meu companheiro, falávamos sobre relacionamentos passados e o surpreendi com minha visão sobre o Amor mais uma vez: Amor não acaba. Será que vou surpreender você também, querido leitor(a)?
Já teve alguma experiência de pensar com carinho no seu ex-namorado e acabou sem saber o que fazer com isso? A proposta é explicar mais ou menos como isso acontece.

Existem pessoas que falam que ex bom é ex “morto”, acreditando que não existe mais relacionamento possível com a pessoa ao final de um relacionamento amoroso. Ou acredita, inclusive, que o Amor acaba e que isso é natural. Não é bem assim, Amor nunca acaba, ele apenas se transforma. Nosso inconsciente não vê problemas em pensar ou lembrar de pessoas do nosso passado, nosso ego é que coloca impedimentos através das nossas crenças. Essas crenças e ditos populares limitam muito nossas experiências neste mundo, já que não estão, nem de perto, baseadas em Amor, por isso mesmo causam confusão. Espero tirar suas dúvida sobre isso neste texto. É bem fácil entender.

Amor - É a maior força do universo, fonte divina da criação. O sentimento mais puro e sagrado.


Lembre do Amor com Amor! *Imagem da internet*

Essa é uma definição bastante resumida do que é o Amor. Em um relacionamento amoroso, o Amor é bastante confundido com carinho, paixão ou desejo, especialmente no início do relacionamento. Temos diversos sentimentos envolvidos com o Amor, carnais e espirituais, numa grande efusão de neurotransmissores agindo e regendo nosso comportamento, desde o flerte inicial até que o relacionamento esteja firmado. Assim são os começos de uma relação: uma bomba de sentimentos e processos químicos ocorrendo sem você nem mesmo saber sobre eles. O desconhecimento desse processo é a origem do ditado popular de que “o Amor é cego”, por exemplo. 

Fazemos de tudo para estar com a pessoa e fazemos de tudo pela pessoa, até mesmo nos relacionamentos mais maduros e racionais essa “cegueira” acontece. E por quê é importante falar sobre isso? Nesses primeiros momentos do relacionamento amoroso, onde realmente começamos a conhecer a pessoa é que comumente falamos o “Eu te Amo” mais sincero, porém ilusório, de nossas vidas, já que mesmo regado de sentimentos como paixão e carinho, que são muito positivos, existe também uma dose de posse: do “Eu” que “Te” Amo e amo porque és meu. Quando não for mais “meu” não há mais ou “nunca foi” Amor.
Quando disse que é um Eu te Amo ilusório, não quer dizer que não seja verdadeiro, mas os sentimentos ainda estão amadurecendo ou são muito mais expressões da nossa empolgação do que como nos sentimos profundamente. Inseguranças também tendem a atrasar o desenvolvimento de emoções e sentimentos mais maduros. No início de um relacionamento até pode ser que os dois não tenham desenvolvido sentimentos profundos uns pelos outros e o “Eu” que “te Amo”, não tem nenhuma responsabilidade pelo tu que é amado e vice versa.

Isso já aconteceu com você? Deixe um comentário com sua experiência.

Já em relacionamentos mais longos, onde os sentimentos são mais fortes, o Amor não “morre” junto com o ex, o que acontece é que tendemos a guardar ou suprimir nossos sentimentos ao invés de nos expressar com autenticidade, vivendo e transmutando esses sentimentos em uma amizade, por exemplo, que torna-se mais saudável. 
Somos guiados pela cultura líquida em que vivemos, muito agravada pela tecnologia e pelas reflexões rasas nas redes sociais, outro ponto importante é o orgulho ferido ao final dos relacionamentos, entre tantas outras razões que não nos cabe divagar neste momento.

O que ninguém te conta é que por mais que tenhamos êxito em suprimir e driblar nossos sentimentos, vez ou outra somos convidados a revisitar um relacionamento passado e se ele não foi bem resolvido, provoca incômodos. Desde comentários infelizes sobre o ex-namorado, até comparações que podem machucar seu atual parceiro(a). Quando qualquer um dos dois não entende que o Amor que sentimos por uma pessoa é único e inabalável, pode gerar desconfortos desnecessários para o casal. Sem falar em ciúmes e desconfianças que são muito prejudiciais.

Em nosso bate papo, logo percebi o zelo de meu companheiro pelo seu antigo parceiro, ele se importa com o bem estar de seu ex, mas estava desconfortável com o que sentia. Eu logo o tranquilizei, é mais que normal que quando nos relacionamos com alguém por um longo tempo, ter lembranças ou querer o bem daquela pessoa que já foi especial em nossa vida. No caso do meu companheiro, o antigo relacionamento acabou, mas ele ainda torce pelo sucesso e o bem estar do ex. É uma postura que não precisa ser escondida, nem deve ser temida ou criar ciúmes, pois o Amor que ele sentiu não deixa de existir, e o fato de que ele se importa com os outros é muito bom, é admirável.

Mesmo em casos onde a lembrança é dolorosa, quando um relacionamento acaba em brigas e desentendimentos, até mesmo em casos extremos, com violência ou abusos, se em algum momento de sua história o casal teve uma experiência boa e amorosa, aquele sentimento permanecerá em suas mentes (memórias, lembranças), corações (onde o Amor se expressa) e em cada célula de seus corpos, pois existem diversos processos químicos desencadeados pelos sentimentos em um relacionamento. Nos relacionamentos que são felizes na maior parte do tempo, mas que chegam ao fim, essas lembranças são ainda mais comuns, mas não somos educados, de uma forma geral, para lidar positivamente com nossos sentimentos.

É um enorme desgaste de energia física, mental e psíquica tentar suprimir nossos sentimentos, outro desgaste enorme é justificar para nós mesmos a razão para suprimir, negar ou “esquecer” tudo que nos aconteceu nos relacionamentos passados. 
Deixo uma reflexão: durante nossa vida, acabamos reprimindo ou não lidando bem com sentimentos e emoções em diversas situações. Essas são as mágoas e feridas que “nunca se curam”, porque não permitimos que elas transmutem em aprendizado e prendemos os inclusive os sentimentos mais puros no processo, gerando dor e até mesmo problemas de saúde. Já ouviu falar das pessoas que ficam doentes de Amor? E dos que entram em depressão depois de um término? Só para citar os mais comuns. Tem traumas que são gerados por relacionamentos antigos que travam a vida amorosa e afetam diretamente as finanças, por exemplo. Nossa vida pode ser cada vez melhor se nos permitimos entender e nos relacionar bem e sinceramente com nossos sentimentos.

No ThetaHealing cuidamos dos términos de relacionamento com muito Amor, realizando leituras intuitivas e tratando dos sentimentos caso a caso e, quando necessário, realizamos o Divórcio Energético entre pessoas que se separaram. Esse divórcio libera os parceiros de possíveis problemas e ressentimentos, traumas ou abusos de energia e poder, liberando o peso e ressignificando o término. Para continuar seu caminho mais leve e sem mágoas, expressando seus sentimentos livremente através do Amor incondicional.

Espero que este texto mostre que seus sentimentos mais verdadeiros são seus amigos e te fazem bem. Se não conseguir ver dessa maneira, e for necessário, peça ajuda. Tenha coragem para lidar com os seus sentimentos, para vencer as barreiras e crescer cada vez mais como o ser iluminado que é.

Eu sou Allan Lucena
.....Gratitude.....

Nenhum comentário:

Postar um comentário